Rodoviários cruzam os braços em greve sem previsão de retorno em VR
<
VOLTA REDONDA

Atualizado às 12h22min.
Quem acordou de manhã achando que iria tranquilamente para o trabalho acabou frustrado. Isso porque os rodoviários cruzaram os braços no sábado (6) após ameaças de paralização do serviço durante a primeira semana de março. Na sexta-feira (5) muitos já se concentravam em terminais rodoviários da cidade, na Voldac e Jardim Amália II, indicando a insatisfação com o parcelamento dos salários.
As empresas depositaram 60% dos salários de fevereiro e foi o estopim para a greve. A categoria se posicionou contra a divisão do salário. A Viação Sul Fluminense emitiu um comunicado aos funcionários que na próxima segunda-feira (8) vai buscar “alternativas e formas” para quitar o que falta dos salários. A Viação Elite também depositou 60% dos vencimentos dos empregados.
– Não é justo você trabalhar o mês inteiro e só receber uma parte do salário. Nem avisaram que não pagariam o valor total – reclamou um motorista da Viação Sul Fluminense, que pediu para não ser identificado.
A maior cidade do Sul do Rio enfrenta problema financeiros causados pela pandemia. Hoje são cerca de 2 mil rodoviários nas empresas que atuam na cidade, com salário de R$ 2,3 mil. Todas as empresas pagaram somente 60% dos salários.
O sindicato disse que a paralização não foi convocada oficialmente. A decisão foi dos próprios trabalhadores. Apesar disso, o diretor Oswaldo da Cunha disse que estão dando apoio aos trabalhadores. “Estamos conversando com as empresas para tentar negociar alguma proposta que possa viabilizar o retorno da categoria ao trabalho”, esclareceu.
O SindPass (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Sul Fluminense) apontou nas últimas semanas que as empresas vêm passando dificuldades financeiras pelo esvaziamento de passageiros, em razão da pandemia do Covid-19. Sem falar dos seguidos aumentos dos combustíveis e o congelamento das tarifas em quatro cidades da região.
Em Barra Mansa, cidade vizinha, a paralização também afetou os transportes. A Viação Agulhas Negras, que atende bairros da Região Leste, parou e bairros ficaram prejudicados. As linhas Nove de Abril, Primavera, K1, São Judas, Dutra, Paraíso e Mangueira, também estão sem transporte a partir da manhã desse sábado.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).