<
Atualizado às 21h32min.

VOLTA REDONDA 
Volta Redonda ficou em segundo lugar do estado, atrás da cidade de Mesquita na Baixada Fluminense, no ranking da Escola Brasil, Avaliação 360º, e entre as 80 cidades do país mais transparentes. Foram avaliados todos os estados, as capitais e os municípios com mais de 50 mil habitantes (com base nas estimativas de 2017, do IBGE). A avaliação contempla não só a transparência passiva, mas também a transparência ativa (publicação de informações na internet).
Incorporando aspectos da transparência ativa como a verificação da publicação de informações sobre receitas e despesa, licitações e contratos, estrutura administrativa, servidores públicos, acompanhamento de obras públicas, entre outras. O ranking é realizado pelo Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União.
O prefeito Samuca Silva destacou que a cidade ficou na frente de capitais e foram avaliados 665 municípios do Brasil. “Vários critérios foram avaliados e principalmente como a prefeitura torna público e disponibiliza as ações de forma transparente. Atendendo a lei do acesso à informação, que entrou em vigor em 2011. Ela tem como critério criar mecanismos que possibilitam, a qualquer pessoa, física ou jurídica, sem necessidade de apresentar motivo, o recebimento de informações públicas dos órgãos e entidades. O município teve uma avaliação positiva e ficou na frente de 18 capitais”, analisou.
Volta Redonda ficou na frente das capitais como Rio Branco, Manaus, Belém, Porto Alegre, Fortaleza, Salvador, João Pessoa, Teresina, São Luís, Goiânia, Boa Vista, Florianópolis, Macapá, Rio de Janeiro, São Paulo, Palmas, Aracaju e Natal. O secretário de Planejamento, Transparência e Modernização da Gestão, Enock Azevedo, enfatizou que o município ficou acima de estruturas administrativas maiores e com recursos superiores para a constatação.
“Em um ano a cidade conseguiu se destacar nessa avaliação. A melhora da nota se deve a uma maior disponibilização de dados colocados no portal da transparência em tempo real, a reformulação do Serviço de Informação ao Cidadão – SIC. Não só o serviço físico, mas também o eletrônico, que não ficava a cargo de nenhuma secretaria. Os dados estavam defasados e as demandas não eram atendidas. Após a SEPLAG tomar a frente, os serviços melhoraram e conseguimos obter esse bom resultado”, afirmou o secretário.