Câmara de Volta Redonda homenageia o Dia da Conscientização do Autismo
Foto: Arquivo.
<
VOLTA REDONDA

Atualizado às 19h.
O vereador Paulo Conrado (DC), na sessão extraordinária realizada na noite de quarta-feira (31), pediu ao assessor legislativo municipal, Luiz Carlos Sarkis, que levasse ao prefeito Antônio Francisco Neto (DEM) a solicitação para que resolva a questão dos salários atrasados. Os vencimentos são dos ex-funcionários que ocuparam cargos comissionados (CC) no governo Samuca Silva (PSC).
Metade dos salários de novembro, salários integrais de dezembro, e o 13º salário do ano de 2020 desses funcionários não foram pagos na gestão do anterior a de Neto e ainda não foram quitados pela atual administração até o momento.
De acordo com o parlamentar, os funcionários “passam por dificuldades graves” durante esse período de pandemia pela Covid-19.
Câmara aprova em primeira votação projeto de “Castra-Móvel” para Volta Redonda
Foto: Divulgação.
“Neto disse que está levantando tudo para identificar, de fato, quem estava trabalhando realmente e os que apenas foram nomeados para fazer campanha eleitoral. Não sei se é o caso, mas defendo que se busque uma forma urgente de pagar esse pessoal e assim, amenizar o sofrimento deles. Quem porventura não tenha trabalhado, que não se pague, mas os que desempenharam suas obrigações merecem receber seus salários, mesmo que de forma parcelada”, ponderou Conrado.
Segundo informações repassadas em plenário pelo presidente da Câmara, Nilton Alves de Faria, o Neném (DEM), durante a sessão extraordinária, “a folha de pagamento desses cargos comissionados da antiga gestão custará aos cofres do município cerca de R$ 3 milhões”.
– Tenho certeza, absoluta, de que o Neto e sua equipe não estão medindo esforços para quitar essa dívida deixada pelo ex-prefeito. Eu sempre avisei que estava errado o procedimento que culminou com o inchaço da máquina administrativa e, consequentemente, com a dívida que agora provoca desespero nesses cidadãos e cidadãs – lembrou Neném.
Em um programa de rádio, na quinta-feira (1º) neto deixou claro que está focado em encontrar recursos para pagar o 13º salário dos servidores, da ativa e inativos, que também está ainda atrasado da antiga administração.
–Não adianta eu enganar, ficar mentindo. Não tenho dinheiro para pagar o 13º agora, mas vou pagar – garantiu Neto.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).