Troca de tiros termina com suspeito morto em Barra do Piraí

0
829
Homem morre em confronto com a PM em Barra do Piraí
<
Foto: Divulgação/PMERJ.
BARRA DO PIRAÍ

Atualizado às 16h49min.
Wellington da Silva Rodrigues, de 21 anos, conhecido como “Queixada”, morreu num confronto com a PM, na madrugada de domingo (12), em Barra do Piraí, no Sul do Rio. Segundo fontes da polícia, ele era suspeito de integrar uma facção criminosa que atua no tráfico de droga do bairro do Carvão.
Ele foi flagrado pela polícia indo em direção ao bairro da Roseira. De acordo com fontes, ele estaria na intenção de atacar a tiros outros quatro homens de uma facção rival. Isso chegou ao conhecimento da polícia que cercaram uma linha férrea que corta e divide os dois bairros.
Foi montado um cerco e uma das equipes bateu de frente com Wellington. Os agentes tentaram efetuar a prisão e o suspeito teria sacado a arma e atirado contra os policiais. Na tentativa de se defender e cessar os disparos, os agentes dispararam e ele acabou atingido. Com eles, os policiais apreenderam um revólver, calibre 38 (foto de capa), com cinco munições deflagradas e uma que falhou. Ele ainda tinha mais quatro munições no bolso da calça, três intactas e uma picotada. Além de um celular.
O Samu foi acionado e o socorreu até o Polo de Emergência da Santa Casa da cidade. Mesmo assim, ele não resistiu e morreu na unidade. O hospital informou que ele foi atingido por quatro tiros. Um dos disparos acertou, segundo a unidade, no olho esquerdo, dois no peito e um na coxa. A perícia recolheu no local do confronto duas cápsulas de fuzil 556 e uma de pistola calibre .40.
De acordo com a polícia, Wellington tinha várias passagens criminais. Em 2018, quando ele tinha 19 anos, foi preso por ameaça, motim de presos, incêndio, dano qualificado, lesões corporais e corrupção de menores. Ele foi solto em janeiro de 2019, depois preso novamente em novembro por porte ilegal de arma de fogo e saiu no último dia 6 de junho.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).