Samuca Silva
<
Foto: Arquivo - SFO.
VOLTA REDONDA

Atualizado às 17h44min.
O prefeito de Volta Redonda, Samuca Silva (PSC), reagiu as críticas feitas a ele, na sexta-feira (27), pelo presidente da Câmara, o vereador reeleito Neném. O parlamentar disparou que teme “calote no funcionalismo” por possível falta de pagamento dos direitos salariais dos servidores do município. Ainda condenou o não processo de transição que, segundo ele, deveria acontecer com o prefeito eleito Antônio Francisco Neto (DEM).
– O presidente da Câmara falta com a verdade. Não há uma transição oficial na prefeitura porque a Justiça Eleitoral ainda não se posicionou sobre o resultado das eleições – justificou Samuca, ao lembrar que o vencedor da eleição, logo no primeiro turno, está com o registro de candidatura indeferido e com recurso para ser julgado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).
Samuca afirma que fará a transição de governo assim que a Justiça eleitoral se posicionar. Segundo ele, “será melhor que a feita em 2016”. O prefeito alega que quando assumiu o ex-prefeito Neto teria deixado vários contratos terminarem, na tentativa de atrapalhar o mandato dele.
– Nem uniforme para as crianças tinham comprado. Nem a dívida mascarada em balanços contábeis inverídicos. Eu, ao contrário, já vou deixar os uniformes nas escolas. Contratos vigentes, orçamento, dívidas, tudo detalhado – afirmou Samuca.
A respeito do recesso, Samuca alega a mesma medida foi tomada nos últimos três anos. “Devido ao aumento dos casos de Covid-19, preferimos deixar servidores não essenciais em home-office e manter o recesso nas duas últimas semanas do ano. A própria Câmara de Vereadores faz isso. O presidente da Câmara crítica o recesso na prefeitura, que todo ano é concedido, mas não fala sobre a Câmara receber mais de R$ 3 milhões por mês e realizar apenas uma sessão legislativa. Ele deveria explicar por que não pautou nas sessões projetos importantes para a cidade, como a Lei que permitiria o parcelamento de dívidas e aumentar a arrecadação da cidade. Temos projetos importantes, que irão ajudar o próximo prefeito, pendentes na Câmara – disparou Samuca.
O prefeito diz que Neném está equivocado. “Não tenho nada a esconder. Ao contrário, quando um parlamentar de seu grupo político tentou um ato corrupto comigo, eu o denunciei e ele foi preso em flagrante”, lembrou o prefeito.
– Quanto ao pagamento dos servidores, desde que assumi meu mandato esse assunto sempre é lembrando e conseguimos honrar os compromissos. Não sei se o presidente da Câmara tem a compreensão, já que os repasses ao Legislativo estão em dia, mas há uma crise financeira no Brasil e que atingiu finanças de vários municípios. Há uma instabilidade em repasses e bloqueios de conta. Tenho certeza que em janeiro o próximo prefeito vai colocar em dia. Eu colocaria”, finalizou Samuca.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).