<
Foto: Redes Sociais.
VOLTA REDONDA

Atualizado às 01h52min.
O que parece fora da realidade para muitos pode voltar a acontecer em Volta Redonda. O prefeito Samuca Silva (PSC) afirmou que o comércio pode voltar a fechar, devido o aumento de notificações suspeitas de Covid-19. O total divulgado por ela na transmissão ao vivo de quarta-feira (17), de 4,88%, pode superar a meta de 5%.
Os casos somam agora 4.362. Um aumento no dia anterior foi de 4,57%. O acordo com o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), homologado na Justiça, prevê que para manter o comércio aberto o índice não pode passar de 5% por três dias seguidos.
Outro problema é o estado de saúde de pacientes atendidos. Outras duas mortes foram confirmadas para a doença na cidade e elevou o número de óbitos para 57. Foi uma mulher, de 34, que tinha doença respiratória crônica e um homem de 64, que era diabético.
– No dia 26 de maio tínhamos 30 óbitos. Hoje são 57. Isso significa que a pessoa está ficando doente em casa e chega num estado mais crítico ao hospital – analisou Samuca.
Com a proximidade do limite estipulado no acordo, o prefeito fez um alerta à população. “Por dois dias seguidos estivemos perto do limite de casos suspeitos. Provavelmente, nos próximos dias, vamos estourar e teremos que fechar por alguns dias todos os estabelecimentos como uma forma de controlar o avanço do vírus. É fato que os casos aumentaram muito”, frisou o prefeito.
Para ele, o aumento era esperado, já que a reabertura começou há 43 dias. Ele ainda alertou que, se possível, as pessoas fiquem em casa em isolamento para evitar a contaminação. Ele pediu que as pessoas fiquem em casa, para que um recuo nas medidas não tenha que ser adotado.
– Precisamos proteger nossas famílias, nossos idosos. Se não controlarmos os casos vamos ultrapassar as metas e vamos ter que fechar tudo novamente – ressaltou o prefeito.
Samuca disse que a falta de entendimento das pessoas, em não se conscientizarem, que não voltamos ao normal pode provocar um passo para trás na flexibilização. “Estamos vendo muitas pessoas nas ruas. São informações de festas, churrascos, lojas cheias. Isso não pode acontecer. A prefeitura está fazendo a parte que nos compete. Distribuímos máscaras, sabonetes, fechamos atividades que possam gerar aglomerações, aumentamos capacidade de atendimento na saúde, criamos o Hospital de Campanha. Mesmo assim, é preciso que todos colaborem”, pediu.
Os dados agora somam 1.136 casos confirmados de coronavírus, sendo 1.220 negativos e 951 pessoas que são consideradas curadas por passar o tempo de manifestação do vírus.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).