Atualizado às 19h35min.


 RESENDE 

Engana-se quem pensa que o mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como a Dengue, Zika e Chikungunya, só age no período das chuvas. No inverno, as larvas ficam mascaradas em locais com menor acúmulo de água, dando a impressão de que não há perigo, mas voltam a eclodir no verão.

Para driblar essa situação e mostrar que a prevenção precisa ser feita em todos os períodos do ano, inclusive no inverno, a Secretaria Municipal de Saúde realiza neste sábado (28), uma ação no bairro Vila Julieta, na região do Manejo, em Resende-RJ.

O trabalho, que envolve agentes de saúde e voluntários, consiste na realização de visitas as residências para verificar se há acúmulo de água parada, entulhos e possíveis criadouros do mosquito da dengue. Além disso, as equipes também orientam os moradores e reforçam a importância de que todos dediquem pelo menos dez minutos por semana ao trabalho de limpeza e vistoria de seus quintais, inclusive no inverno.

– Nosso trabalho não é isolado. Ele precisa da colaboração da população e só apresenta resultados positivos quando a sociedade também se mobiliza. Por isso, durante as visitas às casas, reforçamos como é importante que as pessoas tirem pelo menos dez minutos de suas rotinas para verificar calhas entupidas, colocar garrafas e baldes de cabeça para baixo, verificar se há água acumulada nos vasos de plantas, entre outras medidas preventivas – explicou o coordenador do Centro de Controle de Zoonoses, Rodrigo Campos.

Segundo estatísticas da Secretaria Municipal de Saúde, o município sofreu a pior epidemia de dengue da história nos anos de 2015, quando a cidade registrou 12.244 notificações e teve 8.636 casos confirmados – números que caíram drasticamente em 2017, quando houve apenas 395 notificações e apenas 17 casos confirmados, após um intenso trabalho de prevenção e controle realizado pela Prefeitura e que incluiu a visita de mais de 25 mil imóveis pelos agentes de saúde. (DIVULGAÇÃO)