Prefeitura de VR incentiva doação no “Dia Mundial do Doador de Sangue”
Foto: Geraldo Gonçalves.
<
VOLTA REDONDA

Atualizado às 10h25min.
Pouca gente sabe, mas o sangue dos hemonúcleos não são apenas ofertados a quem está internado em estado grave. Pessoas com câncer, hemofílicos e outros pacientes precisam de transfusões regulares para se manter e continuar o tratamento. Sem falar que alguns necessitam de um tipo sanguíneo específico para sobreviver.
Preocupados com o estoque do hemonúcleo de Volta Redonda, a prefeitura está incentivando a doação, em comemoração ao Dia Mundial do Doador de Sangue, celebrado em 14 de junho. O espaço, que fica anexo ao Hospital São João Batista, receberá uma decoração diferente com o intuito de homenagear os doadores. Além disso, a data será usada como mais uma oportunidade de convidar a população a doar sangue e melhorar o estoque que está baixo em todos os grupos sanguíneos.
Marcelle Cristina Ferreira Alves, coordenadora hemonúcleo, destaca que o órgão tem em média 300 doadores mensais, mas que o ideal seria ter entre e 400 a 450.  “A quantidade de sangue retirada não afeta a saúde do doador, pois a recuperação ocorre imediatamente após a doação. Uma pessoa adulta tem, em média, cinco litros de sangue e em uma doação são coletados no máximo 450 ml. É pouco para quem doa e muito para quem precisa”, ressalta Marcelle.
Uma única doação pode salvar até quatro vidas e todo sangue coletado é separado em diferentes hemocomponentes (hemácias, plaquetas, plasma). Assim, pode beneficiar vários pacientes com apenas uma unidade coletada. Os hemocomponentes são distribuídos para os hospitais para atender aos casos de emergência e aos pacientes internados.
Campanha visa aumentar estoque que está baixo
Campanha visa aumentar estoque de sangue que está baixo. Foto: Geraldo Gonçalves.
De acordo com a gerente de enfermagem do HSJB, Glauciléia Rodrigues de Souza, no “Junho Vermelho”, mês de incentivo à doação de sangue, a campanha é para estimular a população para que venha realizar sua doação em um dos momentos mais críticos, com quedas significativas por conta da pandemia e também nos meses mais frios, como junho, julho e agosto.
– Nosso apelo é para que os doadores compareçam nessa época tão difícil de pandemia e agora intensificada com as temperaturas em queda, que sempre afastam as doações. Durante o inverno, o hemonúcleo recebe menos doações do que nos demais meses do ano, mas a demanda continua a mesma, por conta do número de acidentes e cirurgias de emergência que continuam acontecendo – destaca a gerente.
O sangue coletado no Hemonúcleo de Volta Redonda atende o Hospital São João Batista, o Hospital Municipal Munir Rafful, o Hospital Dr. Nelson Gonçalves e os pacientes do Programa Unacom, no Hinja, em Volta Redonda; além do Hospital Municipal de Pinheiral e da Agência Transfusional, que fica no Hospital Municipal Flávio Leal, em Piraí.
Os interessados em doar devem procurar o hemonúcleo, que fica no Hospital São João Batista e funciona de segunda à sexta-feira,  das 7h às 13h. Para ser um doador é preciso estar bem de saúde e respeitar o intervalo mínimo entre as doações, que é de 60 dias para homens e 90 dias para mulheres. Para doar sangue, o interessado precisa apresentar documento com foto, ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 50 kg, não estar em jejum e não ingerir alimentos gordurosos três horas antes da doação. O órgão segue todas as medidas de prevenção à covid-19. Doe sangue e doe vida!

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).