(DIVULGAÇÃO)
<

Atualizado às 22h14min.


PINHEIRAL 

O prefeito de Pinheiral, Ednardo Barbosa, anunciou um “choque de gestão” na cidade para evitar possível demissão em massa de funcionários públicos do município. O anúncio foi feito em uma coletiva de imprensa no auditório da prefeitura, na manhã dessa quarta-feira (25).

O chamado, “Pacote de Medidas” entra em ação, segundo prefeito, depois que o orçamento do município teria ficado “engessado”, depois que a Câmara dos Vereadores reprovou um pedido de parcelamento, em 24 vezes, de uma dívida com a Light. O valor de R$ 600 mil em débitos com energia elétrica. Um projeto de lei foi enviado para Câmara por Ednardo. Os vereadores autorizaram que o pagamento seja feito em apenas duas vezes iguais.

O perfeito afirma que a decisão prejudicará serviços públicos na cidade. Ele disse ainda que da forma que foi aprovado a cidade não poderá honra com o pagamento.

– Nos surpreendeu a forma que foi aprovada. Vamos fazer várias mudanças para evitar exonerar servidores. Isso em um momento que sabemos que é difícil para o trabalhador que está tentando recompor no mercado – analisou o prefeito.

As medidas começam no dia 02 de maio, primeiro dia útil do mês, por um prazo de 90 dias. Entre as medidas está o corte de horas extras e gratificações. Serviços na área de saúde serão reavaliados. Uma redução de médicos especialistas, profissionais de educação e até o fim do horário integral (de 7h às 18h) podem ser extintos. O expediente de trabalho no serviço público passará a ser de 12h às 18h.

– Se tiver que retirar alguma secretaria, vou fazer. Se tiver que reduzir meu salário, eu vou diminuir. Se precisar fazer campanha para que os vereadores ganhem menos, vou fazer. Estou disposto a qualquer coisa pelo município e a Câmara tem que ajudar. A luta não é só minha. Se eu fizer uma má gestão os vereadores também serão responsabilizados – disparou o prefeito.

O prefeito não mediu esforços para criticar a atuação da Câmara. Ele declarou que o objetivo do Legislativo é “quanto pior, melhor”.

– A Câmara não teve sensibilidade. O presidente (Anderson Costalonso) fala por todo lado que o objetivo dele é me tirar da prefeitura e não vai esperar 2020. Meu objetivo é sanar os problemas que a cidade enfrenta – garantiu o prefeito.

 O prefeito fez ainda um balanço dos três primeiros meses do ano aponta o déficit nas contas do município de R$ 1,6 milhão.

 – A arrecadação caiu de uma maneira muito significativa. Chegamos a receber R$7 milhões por mês e hoje estamos em um patamar de R$4 milhões a R$4,5 milhões de arrecadação. Fora o déficit financeiro que herdamos. Não pegamos um município no zero a zero – explicou.

A assessoria da Câmara não se pronunciou ainda sobre o assunto. Caso seja enviada alguma resposta será publicada.