Foto: Divulgação;
RESENDE

Atualizado às 21h18min.
Uma operação envolvendo a Polícia Federal, Receita Federal e Core (Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil) foi deflagrada na sexta-feira (9) em cidades da Baixada Fluminense e no Sul do Rio. Resende, na região das Agulhas Negras, foi alvo de buscas para desmantelar um esquema de contrabando de aparelhos de sinais digitais de TV à Cabo. As apreensões aconteceram no Porto de Itaguaí e nos Portos Secos (EADI) de Nova Iguaçu e Resende.
Segundo fontes da investigação, o que foi apreendido representa um prejuízo de R$ 50 milhões para o crime organizado. De acordo com a polícia, os principais fornecedores desse equipamento sem imposto são milicianos. Os aparelhos apreendidos estavam em vários containers vistoriados. Mais de 60 mil aparelhos, chamados de “TV BOX”, foram confiscados.
O equipamento é usado para acessar canais pagos de televisão. A prática burla os serviços oficiais de canais pagos e por assinatura, o que viola a lei de direitos autorais. Também é crime contra impropriedade material e contrabando, previsto no artigo 334-A do Código Penal. A pena varia de dois a cinco anos e pode ser dobrada se o crime incluir transporte marítimo. Ainda não se sabe quanto foi apreendido em Resende.
Porém, foi revelado que é a maior apreensão da história já registrada de aparelhos TV Box. É possível que o volume apreendido aumente no fim de semana. A Polícia Federal revelou que dará continuidade nas investigações mesmo depois da conclusão dos procedimentos de busca e apreensão. A ideia é tentar chegar aos líderes e chefes da quadrilha que importa e revende no marcado negro os aparelhos.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).