Delegacia de Angra dos Reis
<
SUL FLUMINENSE

Atualizado às 
O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), com a Coordenadoria de Segurança e Inteligência, a Subsecretaria de Inteligência e a Corregedoria-Geral da Polícia Militar, deflagrou na quarta-feira (24) a “Operação Mercans”. O objetivo é cumprir dez mandados de prisão preventiva e 52 de busca e apreensão contra traficantes que atuam em Volta Redonda, Angra dos Reis e Belford Roxo, na Baixada Fluminense. Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Criminal de Angra dos Reis.
A investigação identificou que os 38 denunciados são vinculados a uma facção criminosa voltada para o tráfico de drogas no Parque Mambucaba (antigo Perequê), em Angra. O monitoramento foi autorizado pela Justiça e verificou que, além da venda ilegal de drogas, o grupo criminoso realiza transporte de armas, prática homicídios e extorsões. Além disso, envolve menores de idade em suas práticas ilegais.
A denúncia é dividida em núcleos de atuação, com base principal para comercialização da droga em Angra dos Reis, mas com atuação integrada aos núcleos de Belford Roxo e Volta Redonda. Segundo o MPRJ, foram identificados como líderes os denunciados Luiz Gustavo da Silva Rosa, o “Bicheiro”, e Wildiner Romero Barbosa, o “Barriga”.
Segundo a polícia, sob a ordem deles os criminosos atuam sete gerentes do tráfico, que têm por função principal a recepção e o repasse de drogas, armas, munições e qualquer material. A denúncia aponta que os gerentes, por sua vez, contam com o auxílio dos outros denunciados para funções como o recebimento e a ocultação de entorpecentes e demais materiais ilícitos, a distribuição do material junto aos demais integrantes e o recebimento de valores obtidos com a venda de drogas, entre outras tarefas.
O MPRJ ofereceu denúncia, contra os integrantes identificados, pelo crime de associação para prática de tráfico de drogas, majorado pelo emprego de violência, grave ameaça e emprego de arma de fogo como forma de intimidação coletiva e por envolver ou atingir criança e adolescente.
Foram expedidos, ainda, pela Auditoria de Justiça Militar, mandados de busca e apreensão contra policiais militares investigados por agirem de forma conivente com a associação criminosa.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).