O adeus a Verinha, comissária da PCERJ falecida em Volta Redonda
Foto: Evandro Freitas.

ESPECIAL


VOLTA REDONDA

Atualizado às 18h01min.
A comissária da Polícia Civil de Volta Redonda, Vera Lúcia Ayres, a “Verinha”, de 68 anos, foi velada na Câmara Municipal, na manhã de sábado (3). A policial faleceu na manhã da sexta-feira (2), no Hospital Santa Cecília, depois de uma complicação após uma cirurgia.
Integrantes de quatro forças de segurança, Bombeiros, Polícia Militar, Civil e Guarda Municipal, foram prestar as última homenagens a Verinha. Muito querida e sempre solicita a quem buscava atendimento na 93ª DP, onde trabalhou a muito parte dos 50 anos na Polícia Civil do Estado do rio de Janeiro (PCERJ).
O presidente da Câmara de Vereadores, Sidney Dinho, policial militar da reserva, disse que a amiga é pioneira na carreira feminina da Polícia Civil do Estado do Rio. “Ela é um exemplo na carreira, uma cidadã exemplar e a polícia perde uma servidora ícone na nossa cidade. A ausência dela vai refletir e muito em todo setor de segurança da nossa região. Pedir a Deus que receba a Verinha da melhor maneira possível. O legado dela para nós é de bom exemplo e isso é o que fica nos nossos corações”, lamentou o parlamentar e amigo.
A Guarda Municipal fez a escolta de honra do cortejo da comissária até o local do velório. Quatro motos patrulha atuaram como batedores da Câmara Municipal até o Cemitério Portal da Saudade, onde ela foi sepultada no fim da manhã de sábado. O corpo foi conduzido em carro aberto do Corpo de Bombeiros. Cerca de 50 policiais militares estiveram no velório. Ainda a Supervisão do 28º Batalhão da PM, com oitos representantes. Membros das delegacias de Resende (89ª DP), Barra Mansa (90ª DP) e Volta Redonda (93ª DP). Um dos amigos, o sub-tenente Carolino lembrou da amiga com saudade. “Ela sempre ajudava a todos os agentes que chegavam com alguma ocorrência no plantão dela. Uma funcionária e, além de tudo, uma amiga que vai deixar muita saudade para todos nós da segurança pública”, disse emocionado.
Verinha completou 50 anos de serviços prestados na Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro.
O amigo de plantões na 93ª DP, o inspetor, Marcelo Ventura Nogueira, lembrou com carinho os momentos que trabalhou ao lado da amiga, na delegacia. Segundo ele, eram muitas histórias para lembrar. “Verinha, como era carinhosamente tratada pelos amigos, foi um exemplo de dedicação, profissionalismo e companheirismo. Sempre pronta a ajudar. Fui agraciado com a honra de a conhecê-la e desfrutar das muitas histórias contadas ao longo dos cinquenta anos dedicados à Polícia Civil. Um ser humano espetacular. Com certeza, vai deixar muitas saudades”, ressaltou o policial.
Verinha sempre uma pessoa serena e positiva. Para quem é da imprensa, como nós, sabe que ela sempre dava uma informação privilegiada a quem buscava uma matéria ou fato na delegacia. Jamais negou atendimento a quem quer que seja. Até eu mesmo, que escrevo essa matéria especial, me recordo um dia, quente de verão, que tive o privilégio de deixar ela na casa da filha no bairro Aterrado. Sempre com um sorriso no rosto e uma palavra amiga para compartilhar. “Um ser humano como poucos que conheci até hoje. Verinha é uma pessoa serena, mesmo em um ambiente que sabemos, uma delegacia, não era dos mais tranquilos. Uma mãe que não media elogios a filha única e os netos. Sempre mencionava que um estava na faculdade e outro ainda bebê, que ela aproveitava cada instante que podia. Sempre tinha um ‘obrigado’ para dar, sem ao menos termos feito nada de importante para ela. Agradecia a vida e aos amigos que cultivou durante toda carreira. Vá em paz minha amiga, apesar de ainda muito cedo. Ou seja, que seu legado não seja esquecido nunca e que possamos guardar seus ensinamentos, história e exemplos de cidadã, servidora e amiga para sempre”, agradece Jean Alves, em nome da nossa equipe e de todos que conheceram nossa amiga Verinha.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:  
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por opiniões de leitores na matéria).