Atualizado às 21h50min.

VOLTA REDONDA
Uma mulher estrangeira, de 50 anos, natural da Eslovênia, encontrada no domingo (10) pela Polícia Militar, em uma casa do bairro Santa Cruz, em Volta Redonda, no Sul do Rio, têm graves problemas mentais. Com EXCLUSIVIDADE SUL FLUMINENSE ONLINE teve acesso ao desfecho do caso na Delegacia da Mulher.
O filho, de 27 anos, se apresentou voluntariamente, acompanhado de sua advogada, na delegacia,depois que soube que a mãe foi levada pela Polícia Militar. A mulher sofre de problemas psiquiátricos e ele precisa deixar ela trancada por conta de que ela foge, tenta se jogar pela janela, e tenta se matar por várias vezes. Ele contou na delegacia que a mãe faz tratamento há 30 anos e que tenta agredir ele toda vez que chega em casa.
Eles estão há uma ano e meio no Brasil. Depois de tentar tratamento na Polônia e na Bielo Rússia. Com visto de turista, ele vende doces no sinal para ter uma renda para cuidar da mãe.  Quando chegou na Deam tirou a roupa e precisou ser contida pelos policiais. A mulher dizia que “estava com germes”.
Ele explicou que a mãe sofre de transtornos e por isso deixava a mãe fechada em casa. Segundo o filho, o medo é de que alguém faça mal para ela. “Eu não posso levar para trabalhar. Porque eu trabalho na rua. Minha mãe se comporta como criança e tem muitas mudanças de comportamento. Compro remédios naturais e tento cuidar dela para não levarem ela de mim como fizeram em outro país. Uma vez deixei a porta aberta ela saiu nua e se pendurou na janela outra vez”, contou o filho à polícia.
Ele ainda revelou que não tem facas ou fogão para que não tenha risco para mãe. A perícia constatou que tinha alimentos na casa. Por conta da cultura, eles são vegetarianos e só se alimentam de frutas, verduras e legumes. A geladeira da casa haviam vários alimentos. Sinal que ela não passava fome. As lesões foram provocadas pela própria mãe.
A advogada Pabline Venezia, que acompanhou o acusado no depoimento, contou ao SFO que ele responderá em liberdade por abandono. “É um caso de problema de saúde que o acaba no direito penal. Quando na verdade o direito civil e de assistência social deveriam cuidar. Apesar de tudo, ele ficou mais preocupado com a mãe. Ele espera que ela não vá para o abrigo”, ressaltou a advogada. (Foto: Divulgação).