Hospital Munir Rafful do Retiro
<
Foto: Evandro Freitas.
VOLTA REDONDA

Atualizado às 11h35min.
O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio da 3ª promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Volta Redonda, a Defensoria Pública do Estado (DPRJ), por meio do 2º Núcleo Regional de Tutela Coletiva, deu um prazo de três dias para Samuca Silva (PSC) normalizar o atendimento no Hospital Dr. Munir Rafful, no Retiro. A determinação veio depois da assinatura de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC).
O documento foi assinado na terça-feira (8). O acordo prevê que o município seja obrigado, no prazo máximo de três dias, que o funcionamento do hospital volte o atendimento na totalidade. Ainda está previsto a contratação de médicos, a compra de insumos, equipamentos, medicamentos e bens necessários.
A partir de janeiro de 2021, o início de uma nova gestão municipal, ficou determinado que os profissionais devem ser contratados pelo prazo de seis meses, garantindo assim o atendimento à população. o prazo termina nessa sexta-feira (11).
No TAC assinado, a prefeitura afirma que poderá pagar os salários dos médicos de forma antecipada, até 16 de dezembro. O documento, também segundo o prefeito, permite a contratação temporária, por prazo de seis meses, dos médicos.
– Foi muito importante a visita ao local junto ao MP. O diálogo fez com que chegássemos a um consenso e agora poderemos tomar medidas, como antecipar salários, e garantir assim a contratação temporária dos médicos. Acertamos em rescindir o contrato com a OS e agora estamos reestruturando o hospital. Não tenho compromisso com o erro. Mas a contratação da OS foi por conta da necessidade de dar fim ao RPA. Agora com o TAC, a próxima gestão poderá escolher o modelo de administração do hospital já que temos prazo de seis meses de contratação temporária – explicou Samuca.
A ainda afirmou que reabasteceu o hospital com insumos, equipamentos e medicamentos, através da Secretaria Municipal de Saúde.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:

(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).