Jovem corre risco de morrer sem equipamento no Hospital Santa Cecília
Foto: Reprodução.
<
VOLTA REDONDA

Atualizado às 11h40min.
Faleceu, na madrugada deste domingo (9), Raphael dos Santos Candido, de 33 anos, internado há 15 dias no Hospital Santa Cecília, em Volta Redonda, no Sul do Rio. O metalúrgico, funcionário da CSN, não resistiu a complicações causadas pela Covid-19 morreu na UTI. Uma campanha iniciou nas redes sociais para tentar pressionar o hospital, que é particular, a conseguir um aparelho de ECMO, que funciona com um pulmão artificial, na tentativa de salvar o metalúrgico.
O hospital, por nota, negou que o paciente precisasse do equipamento, que segundos informações a unidade não possui. Uma transferência para outra unidade particular foi cogitada, mas os médicos descartaram por conta do estado de saúde de Raphael ser grave. Mesmo a família entrando na Justiça para exigir que o hospital conseguisse o aparelho, não foi possível a tempo.
Na decisão, o juiz do Juizado Especial Cível de Barra Mansa determina que “em virtude de complicações decorrentes da COVID-19. Aduz que diante do agravamento do seu quadro e para a sua sobrevivência, a equipe médica indicou o suporte de oxigenação por membrana extracorpórea (ECMO). Aduz o demandante que a ré (HSC) vem retardando a análise e deferimento do tratamento solicitado, o que pode resultar em danos irreparáveis à sua saúde, havendo urgência no deferimento para manutenção de sua vida”.
Na nota, o HSC diz que o tratamento “não foi indicado por um médico do corpo clínico” da unidade. E tal medida, segundo o hospital, seria em “desacordo com a equipe que ora assiste o paciente, a quem cabe o real julgamento da condição clínica do paciente atual.” A assessoria de imprensa entrou em contato com a nossa redação e disse que em respeito a família “não emitiria uma nota sobre o falecimento do metalúrgico nesse domingo”.
O aparelho é o mesmo usado no ator e humorista Paulo Gustavo, que morreu na última semana vítima da mesma doença que matou Raphael. Ele era casado e pai de uma menina de 6 anos.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).