Policial passa com fuzil e assusta músicos
Foto: Reprodução/Redes Sociais.
ANGRA DOS REIS

Atualizado às 13h38min.
A ação que interrompeu uma live do grupo de pagode, Aglomerou, em Angra dos Reis, no domingo (26), tinha como alvo um miliciano procurado. O objetivo era chegar na casa ao lado, onde havia informações que o suspeito estava. Wellington da Silva Braga, o “Ecko”, é um dos milicianos mais procurados do estado do Rio.
A live foi interrompida, segundo uma nota da Polícia Civil do Rio, que fazia a operação, para “evitar que alguém fosse ferido”, disse por meio de uma nota enviada à imprensa. Ninguém foi preso. Nas imagens divulgadas ao vivo, foi possível notar que os agentes revistaram membros da produção da live que disseram não estar armados.
Ainda foi possível ver um agente, armado com fuzil, passando na frente da live. Um helicóptero e barulho semelhante a tiros foram ouvidos.
Ecko é apontado como chefe da maior milícia do estado do Rio. O bando começou na Zona Oeste da capital e expandiu para Baixada Fluminense. O Disque-Denúncia (2253-1177) oferece uma recompensa de R$ 10 mil por informações que levem até a prisão de de Ecko.

Nota enviada pela assessoria de imprensa da Polícia Civil:

“Policiais da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), com apoio da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE), realizaram uma ação no município de Angra dos Reis, na tarde deste domingo (26/07), referente a uma investigação da especializada. Os policiais checavam informação de uma casa onde estaria sendo realizada uma festa desde ontem (sábado) com criminosos foragidos da Justiça. Com a aproximação dos agentes, alguns criminosos correram em direção a um mangue e efetuaram disparos em direção aos policiais, que ainda tentaram localizá-los, sem sucesso. Todas as pessoas que estavam na festa foram autuadas por descumprimento de medida sanitária preventiva, com base no artigo 268 do CP (Código Penal). No local, os agentes encontraram frascos de lança-perfume e indícios de consumo de drogas. Algumas pessoas que estavam na festa também possuíam anotações criminais por diversos crimes como tráfico de drogas, roubo e associação criminosa, mas sem mandados pendentes. Na casa ao lado de onde estava sendo realizada a diligência, ocorria uma live de um grupo musical, que foi interrompida para evitar que alguém pudesse ser ferido durante a ação”.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).