Atualizado às 18h02min.

BARRA DO PIRAÍ 
Presa, enfim mãe da menina especial desaparecida confessa que escondeu o corpo da filha em uma mala, no distrito de Ipiabas, em Barra do Piraí, Sul do Rio de Janeiro. Cristiana Oliveira Laport, de 28 anos, e o companheiro Carlos Ramon Manoel Ferreira, de 20 anos, contaram a versão deles ao delegado Wellington Vieira, ao se apresentarem na delegacia na terça-feira (22) e terem a prisão preventiva determinada pela Justiça.
Segundo a mãe da pequena Júlia, de 11 anos, ela e o padrasto decidiram ocultar o cadáver, depois que a menina, de acordo com a versão dela, teria morrido “de causas naturais”. A ossada, que ao que tudo indica é da menina desaparecida, foi encontrada na segunda-feira (21), em um terreno perto da casa da família do padrasto. Ela nega que a menina tenha sido assassinada.
A mãe contou que a menina morreu enquanto dormia, em julho do ano passado. Ela confessou ainda que decidiu com o companheiro colocar o corpo na mala e esconder no terreno. A versão de morte natural não convenceu o delegado. Ele pretende ouvir a mãe novamente. O delegado contou ainda que o casal decidiu fugir para São Gonçalo por temerem acabar linchados após a descoberta dos restos mortais da menina.
O delegado agora aguarda o laudo da perícia para confirmar ou não ser a menina. O prazo é de pelo menos 30 dias. A prisão deles é por tempo indeterminado. Eles mantiveram a menina em segredo por pelo menos seis meses. O desaparecimento dela foi registrado por uma tia, que desconfiou das constantes desculpas sobre a ausência da sobrinha. Contra o pai biológico havia uma medida protetiva de afastamento que o impedia de aproximar da mãe da criança. (Foto: Reprodução).