Foto: Arquivo - SFO.
BARRA MANSA

Atualizado às
O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) determinou o afastamento imediato do prefeito de Barra mansa, Rodrigo Drable (DEM). A decisão foi tomada na quarta-feira (11) pela desembargadora Suimei Meira Cavalieri.
No despacho da magistrada, ela cita um suposto esquema de compra de votos de parlamentares e a possível existência de uma organização criminosa envolvendo membros dos poderes Executivo e Legislativo. A desembargadora apontou ainda que a decisão deve ser cumprida de imediato.
O Minstério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) conseguiu em julho deste ano a ordem para afastar o prefeito, dois vereadores, incluindo o presidente da Câmara, e um funcionário comissionado da prefeitura. O ministro Dias Toffoli, do STF (Supremo Tribunal Federal) revogou a decisão, em caráter liminar, e eles foram reconduzidos aos cargos.
Por outro lado, na semana passada, o atual presidente do Supremo, ministro Luiz Fux, caiu com o pedido de suspensão das medidas cautelares em definitivo. A medida desfavoreceu o prefeito e os outros acusados.
O MP, então, fez o requerimento junto ao TJ para que fosse cumprida a decisão do STF. Além de ser afastado do cargo, Rodrigo Drable também fica proibido de entrar em repartições públicas, manter contato com os outros envolvidos, com a testemunhas da investigação e de sair do estado sem autorização judicial.
Com toda reviravolta do caso, quem assume a prefeitura é, novamente, a vice-prefeita, Fátima Lima (PSC). Ela chegou a ficar no cargo no último afastamento, em julho. O afastamento do prefeito não interfere no processo eleitoral. Ele continua tendo autorização para concorrente como candidato à reeleição, com nome constando na urna.
O prefeito ainda não se manifestou sobre a nova decisão. Ele já havia se manifestado nas redes sociais que recorreria de qualquer decisão de afastar ele do cargo. Tentamos contato com o prefeito, mas ele não havia ainda respondido nossas mensagens.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).