Hospital Munir Rafful do Retiro
<
VOLTA REDONDA

Atualizado às 10h26min.
A Defensoria Pública do Rio de Janeiro (DP-RJ) constatou irregularidades no Hospital Munir Rafful, o Hospital do Retiro, em Volta Redonda depois de uma inspeção na última terça-feira (4). O órgão apontou problemas como a falta de profissionais, infraestrutura e bloqueio de UTI’s. Os problemas, segundo a defensoria, “inviabiliza” o funcionamento da unidade médica, que é a segunda maior pelo SUS da cidade. O município recebeu a recomendação de elaborar um plano para resolver os problemas encontrados e informar quais medidas serão tomadas.
A vistoria foi feita pelo 2º Núcleo Regional de Tutela Coletiva em parceria com o Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj). Os órgãos vêm acompanhando a situação da unidade médica desde setembro de 2020. Outras visitas foram feitas em novembro de 2020 e fevereiro de 2021. Nas visitas, os órgãos constaram a ausência de médicos plantonistas para emergência, falta de insumos básicos, medicamentos e déficit de profissionais de apoio, ausência de macas para exames. Além de falta de distanciamento entre leitos de emergência do hospital.
A última sexta-feira (7) foi o prazo final para a prefeitura apresentar um relatório de atividades para solução dos problemas apontados. Entre eles, a escala médica defasada, falta espaçamento adequado, UTI e UI com portas sem bloqueio de acesso, falta de EPI’s nos acessos às unidades de tratamento de Covid-19, atraso dos resultados de exames, falta de desfibrilador, falta de médicos, entre outros.
Problemas que estavam sendo apontados desde o fim do contrato com a OS Mahatma Gandhi, que foi contratado no governo Samuca Silva (PSC) para gerir o hospital. Em 1º de dezembro de 2020, a prefeitura reassumiu a unidade, depois dos salários atrasarem e levar vários funcionários pedirem demissão. Situação que agravou a falta de médicos e funcionários para tocar o hospital como era.
A Defensoria Pública diz que é dever do Executivo criar iniciativas para resolver os problemas. A sugestão do órgão é implantar e atualizar o Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para médicos e profissionais da Saúde. A medida, segundo a DP-RJ regularizaria a oferta de serviço público na unidade.
Por outro lado, a prefeitura ainda não se pronunciou sobre o posicionamento da defensoria.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).