EXCLUSIVO: Novo vídeo mostra funkeiro falando nome de facção em baile de Volta Redonda

4
3789

EXCLUSIVO


Atualizado às 22h10min.

VOLTA REDONDA
Depois da repercussão da confusão generalizada em um clube de Volta Redonda, no Sul do Rio, o portal SUL FLUMINENSE ONLINE foi atrás de esclarecer o que aconteceu antes da pancadaria no Aero Clube, na festa organizada pela empresa JCharme Eventos e não a equipe Gold High Tech, que foi contratada para tocar no evento, o “Melhor Baile do Ano 5”, que teria provocado a confusão na madrugada de domingo (15).
Conseguimos encontrar um vídeo feito instantes antes de começar as brigas. O cantor Poze do Rodo, ou Pitbull do Funk, como é conhecido, estava no palco e parece, de acordo com as imagens obtidas com EXCLUSIVIDADE, que algo pode ter irritado o funkeiro. Em seguida, ele começa cantar e no meio da música fala, duas vezes, o nome de uma das mais perigosas facções do crime organizado que atua em todo estado do Rio de Janeiro e fora dele.
No vídeo, o funkeiro desabafa ao dizer que “ninguém vai atrapalhar meu show não”. “Vou continuar quebrando tudo. E quem não gostou só lamento, pow! Nóis é o que nóis é mesmo pow” disparou para plateia. Na sequência ele [Poze] fala por duas vezes o nome da facção criminosa. Veja o que aconteceu em seguida.

O cantor foi preso em setembro de 2019 acusado de fazer apologia ao crime, em uma boate de Sorriso, no estado do Mato Grosso. Ele ficou detido por quatro dias e foi solto. Na época, a suspeita era que o baile teria sido promovido por membros da facção criminoso que ele exalta no baile de Volta Redonda. O promotor do evento também foi preso na época. Poze ficou preso no Centro de Ressocialização de Sorriso (CRS). Depois foi levado para a Penitenciária Central do Estado (PCE). Depois teve a liberdade provisória concedida.
A pena para quem comete apologia ao crime, previsto no Código Penal (CP) brasileiro, é de detenção de 3 a 6 meses. A repercussão da prisão do funkeiro na época motivou o cantor, que até publicou um vídeo nas redes sociais agradecendo o apoio, segundo ele, dos fãs, amigos e parentes.

O juiz Claudio Gonçalves, que proibiu o Aero Clube, de realizar eventos que tenha aglomeração de pessoas. A decisão do magistrado foi publica na terça-feira (17) depois que o SFO publicou uma matéria sobre a confusão no baile. Com as imagens é possível afirma que a confusão começou em seguida da música cantada pelo cantor.

A organização da festa, até o momento da publicação dessa matéria, não havia se pronunciado sobre o caso.


Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).

4 COMENTÁRIOS

  1. Agora o MP pode formular uma queixa contra esse cara que só faz apologia ao tráfico e pedofilia. Mete esse na tranca. E aumenta a pena por reincidência.

Comments are closed.