<
RIO DE JANEIRO

Atualizado às 09h50min.
Faleceu nesta sexta-feira (14), aos 66 anos, o ex-deputado estadual Jorge Picciani. O político e empresário do ramo de gado leiteiro e de corte estava internado em um hospital particular de São Paulo para o tratamento de um câncer.
Picciani atuou como presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). O atual presidente da Casa, André Ceciliano (PT), ofereceu a Alerj para o velório. Picciani foi acusado de receber mais de R$ 83 milhões em propina da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) entre 2010 e 2015, afirmam os procuradores que ainda investigavam o suposto esquema. A operação que prendeu ele e mais dois deputados estaduais foi deflagrada no fim de 2017. Picciani, no entanto, negava que tivesse recebido qualquer vantagem financeira em troca de favores na Alerj.
Formado em contabilidade pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e em estatística pela Escola Nacional de Estatística, Jorge Picciani nasceu no dia 25 de março de 1955 e era pecuarista há 30 anos. O grupo Monte Verde, presidido por ele, é uma referência na área de reprodução assistida de gado Nelore e GIR leiteiro no Brasil.
Jorge deixa a mulher, Hortência Oliveira Picciani e os quatro filhos: o deputado federal Leonardo Picciani; o deputado estadual Rafael Picciani; o zootecnista Felipe, que presidiu a Associação Nacional de Criadores de Nelore e cuida dos negócios da família; e o caçula Arthur.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).