<
Foto: Evandro Freitas.
VOLTA REDONDA

Atualizado às 12h59min.
Um dos personagens mais conhecidos de Volta Redonda faleceu nessa quinta-feira (23). O artesão Eduardo Ermida Filho, carinhosamente chamado de Dadinho, ficou conhecido por causa da montagem de um presépio, em casa, na época do natal. Ele morreu no Hospital Regional, onde estava internada, por conta de complicações causadas pelo Covid-19.
Dadinho chegou a ficar em coma e apresentou uma melhora. Porém, o quadro se agravou novamente e ele não resistiu. Há 30 anos, Dadinho recebia visitantes e montava o que era considerado o maior presépio do Sul do estado do Rio. A casa dele, na Rua São Vicente de Paula, no bairro Niterói fica sempre lotada de pessoas que iam apreciar a tradição, que nasceu com uma tia dele, quando era criança.
Folias de Reis, pagadores de promessas e muitos que doavam alimentos não perecíveis, materiais de higiene, fraudas e brinquedos prestigiavam Dadinho. Tudo que era arrecadado era doado no natal e depois do Dia de Reis, para famílias carentes e entidades assistenciais da cidade. Além disso, ele tinha um livro que ficava registrada todas as pessoas que visitavam o presépio e deixava as doações para quem mais precisava.
O presépio tinha pouco mais de 10 metros quadrados e ocupava toda garagem da residência. Sem falar da quantidade de peças, mais de 200, que aumentava sempre a cada ano. No começo, ele montava apenas para a família, até que resolveu abrir para visitação. Sempre que recebia nossa equipe, aos finais de anos, Dadinho se mostrava satisfeito com a nossa presença e comentava, emocionado, sobre a fé e a devoção em mostrar a história do Menino Jesus.
– É uma satisfação para mim receber as pessoas. Os adultos gostam do presépio, mas as crianças gostam mais do Papai Noel. É um privilégio poder receber todos aqui e apresentar essa história que é, sem dívida, a mais bonita de todas para mim – falou Dadinho, em umas das nossas visitas ao presépio.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).