<
Atualizado às 22h13min.

RODRIGO MATIAS
Ser professor de história, algumas vezes, é um fardo. Isso porque em tempos como esses você se lembra que em 1720 a Grande Praga de Marselha, na França, foi o último surto europeu significativo da peste bubônica, atingindo também as cidades de Toulon, Aix e Arles. Na época, Marselha perdeu mais de 50% da sua população.
Em 1820, a primeira pandemia de cólera se espalhou para a Tailândia, Indonésia e Filipinas. Somente na ilha de Java, o surto causou a morte de 100 mil pessoas e em Bangkok, Tailândia, 30 mil. O surto durou até 1824, provavelmente originado do Rio Ganges, na Índia.
Outra pandemia foi em 1920, quando a gripe espanhola de 1918 à 1920 foi a mais letal da história da humanidade, causado pelo influenza H1N1. O vírus chegou em todos os continentes do mundo, infectando 500 milhões de pessoas. Foram mais de 100 milhões de mortos, representando 5% da população total do mundo da época.
Recentemente, o primeiro caso de Coronavírus foi confirmado no Brasil, em São Paulo, vindo da Itália. Quatro mil leitos, distribuídos por seis hospitais no estado, foram disponibilizados para tratamento caso o cenário se agrave.
Contudo, a taxa de mortalidade do novo Coronavírus 2019 (Covid-19) é de 2,3%. Uma mortalidade menor que a do Coronavírus anterior, Sars, de 10%, ou do Coronavírus Mers, que chegava de 20% a 40%.
Ele se torna mais mortal em idosos com problemas respiratórios ou cardíacos, atingindo mortalidades de 14,8%. Uma certeza é que o mundo vai sobreviver a mais essa. Não se assustem, lavem as mãos e usem álcool gel. 😉
O que você pensa sobre isso? Deixe um comentário e até a próxima semana.
Foto: Reprodução.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).

1 COMENTÁRIO

  1. Minha preocupação é em relação a economia, sou pobre com família e tenho medo como das outras pandemias que o alimento falte nos mercados ou sejam a preços absurdos.

Comments are closed.