Foto: Reprodução.
BARRA MANSA

Atualizado às 12h39min.
Uma confusão com pancadaria marcou a votação do pedido de impeachment contra o prefeito afastado de Barra Mansa, Rodrigo Drable, na Câmara da cidade. Um vereador e um ex-deputado estariam envolvidos na briga que ocorreu depois que o pedido foi aceito por todos os vereadores votantes. A briga começou ao final da votação, na porta da Câmara, após o vereador, que é da base do governo, responder ao ex-deputado e outros militantes.
Na Câmara o presidente não vota e com dois afastados o saldo foi 14 a 0. A sessão durou pouco mais de duas horas, na manhã de quarta-feira (29). Na reunião foi aprovado o pedido e escolhida a comissão que que vai analisar e emitir um parecer sobre as justificativas para o impeachment. Por sorteio, foram escolhidos o vereador Gustavo Gomes (presidente), Daniel Maciel (membro) e Maria Lúcia (relatora).
A comissão terá cinco dias para emitir um relatório com o parecer sobre o pedido aprovado. Na quinta-feira (30), a Câmara terá uma nova sessão, no meio do período que teria que estaria vigorando o recesso parlamentar, que foi suspenso por causa da pandemia e compensar os dias que ficou fechada a câmara.
A abertura do processo de impeachment não quer dizer que o prefeito ficará impedido de retornar ao cargo. O retorno ou não depende de uma decisão da Justiça. O pedido foi apresentado pelo vereador Marcell Castro (Cidadania). O pedido foi aprovado pela maioria, mesmo o prefeito tendo a maior parte dos parlamentares na base do governo. A quem diga que em ano eleitoral e com um caso tão grave como esse pode mudar o voto em qualquer parlamentar.
Todo processo aconteceu depois de uma denúncia ao Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro de corrupção ativa, por parte do prefeito Rodrigo Drable. Ele é acusado de ter oferecido ao vereador Gilmar Lelis o valor de R$ 30 mil para votar a favor das contas reprovadas pelo TCE-RJ.
Uma operação, deflagrada no último dia 14, afastou o prefeito e mais dois vereadores. Entre eles, o presidente da Câmara, Paulo Chuchu e o vereador Zélio Show.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).