CDL Jovem de Volta Redonda realiza Dia Livre de Impostos
Foto: Carlos Caldeira.
<
VOLTA REDONDA

Atualizado às 21h23min.
A Câmara de Dirigentes Lojistas de Volta Redonda (CDL-VR) realizou na quinta-feira (27), a campanha do Dia Livre de Impostos. O DLI recebeu a adesão de mais de 30 empresas da cidade, que comercializaram algumas mercadorias sem o valor do imposto, com uma mobilização no Sider Shopping e no Shopping 33. Além da exibição de faixas em alguns cruzamentos da Vila Santa Cecília. O objetivo foi alertar aos consumidores e lojistas quanto à alta taxa tributária que é paga sobre os produtos, a chamada tributação sobre o consumo. Lojas do Centro, Aterrado e outros bairros também aderiram à campanha.
A CDL Jovem, com apoio da Diretoria Executiva, foi responsável pela organização da ação em Volta Redonda e o presidente Leandro Noel falou sobre como é importante mostrar na prática a urgência de uma reforma tributária no país.  “O Brasil, num ranking de 30 países, é o 14º que mais arrecada com impostos, e o nono com a carga tributária mais cara do mundo, além disso, é o último que mais reverte esse valor para benefícios da população. Isso precisa mudar. Somando todos os tributos que pagamos em um ano, estima-se que de toda a movimentação financeira neste período, quatro ou cinco meses seriam para pagar impostos. Isso mostra a relevância dessa campanha de conscientização que realizamos todos os anos”, disse. Ele ressaltou que a pesa carga tributária também é um entrave na geração de empregos e do desenvolvimento econômico no país.
 A organização do Sider Shopping, que é apoiador deste projeto na cidade, encorajou os empresários a participarem e cerca de 40% das lojas aderiram. A coordenadora de marketing, Patrícia Macedo, afirmou que essa campanha é muito importante, uma vez, que no geral, as pessoas nem se dão conta de quanto realmente pagam de imposto.
O objetivo desta parceria, que acontece do Sider Shopping com a CDL Jovem para o Dia Livre de Impostos, é justamente mostrar esses valores para nossos clientes e como isso impacta na vida dos lojistas e do próprio consumidor. Essa é uma ação que serve para despertar em todos os cidadãos a importância de se informar e procurar meios de mudar este cenário. Alguns lojistas do Sider Shopping retiraram os impostos de produtos e venderam aos clientes com valores sem tributos, mas não deixaram de pagar as taxas, apenas os consumidores foram isentos”, comentou. Participaram lojas de diversos segmentos como: calçados, vestuário, eletroeletrônicos e restaurantes. “Acreditamos que a população tenha gostado muito da ideia”, disse.
 Os lojistas que aderiram à campanha também comentaram sobre a importância do evento. Gisele Carvalho, proprietária da franquia Havaianas, afirmou que é triste ver o valor tão alto que se paga sobre os produtos.  “Além da conscientização, essa campanha motivou a termos mais clientes na loja, atraídos pelos produtos com esse desconto dos impostos. Quando vemos o quanto é retirado no valor final da mercadoria, é realmente impactante. Esperamos que isso melhore e vamos ter um país melhor nessa área também. Essa campanha é mais um passo”, completou.
Graciane Teixeira, gerente da Yes Cosméticos, também demonstrou sua indignação com os impostos. “Mostra o quanto é motivo para estarmos indignados com o alto valor que pagamos. Se fosse mais barato, venderíamos muito mais do que vendemos hoje, com um preço muito mais acessível. Entendo a necessidade de cobrar impostos, mas é abusivo demais. Essa ação é boa para vermos como esse valor altíssimo é prejudicial tanto para os lojistas quanto para os consumidores. “Vimos o quanto é preciso mudar para melhorar”, afirmou.
Esse ano, com o apoio da Diretoria Executiva, e de forma inédita, a campanha foi realizada também incentivando as compras por delivery, com o objetivo de evitar aglomeração por conta da pandemia da Covid-19. Já na ação física, o Impostossauro, símbolo da campanha, esteve presente, sendo mais uma vez a mascote e o centro das atenções. O dinossauro representa a alta carga tributária que abocanha quase 80%, dependendo, do valor do produto. “Hoje, praticamente 32% do que se produz no Brasil são destinados para pagar imposto”, comentou Noel. A data escolhida representa os 151 dias que se trabalha no país para pagar tributos.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).