<

Atualizado às 20h52min.


VOLTA REDONDA

Uma “lista negra” com as vinte empresas maiores devedoras do município de Volta Redonda/RJ gerou polêmica e discussão, na primeira seção pós-recesso realizada na noite de quinta-feira (02), na Câmara de Vereadores da cidade. O documento é uma resposta ao requerimento feito pelo vereador Washington Uchôa (PRB) à prefeitura.

Segundo o documento, entre as empresas mais devedoras estão hospitais, empresas de transporte, construtoras, indústrias, clubes e empresas prestadoras de serviços dos mais diversos. Os débitos estão registrados na dívida ativa. Os valores envolvem ISS (Imposto Sobre Serviço), IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) entre outros tributos como multas, por exemplo. Segundo o documento enviado à Câmara, as 20 empresas somam uma dívida que passa de R$ 1 bilhão. Das vinte, somente três realizaram parcelamento da dívida. No caso do IPTU, os débitos somados passam de R$ 2,3 milhões, somente em 2018.

Entre 2014 e 2018, outras vinte empresas juntas devem R$ 2,9 milhões aos cofres públicos, segundo a Divisão de Fiscalização de Impostos Mobiliários. Por conta do sigilo fiscal, protegido por lei, não podemos divulgar os nomes das empresas citadas no documento. O que se sabe é que a quantia ajudaria muito o atual governo pagar e investir em vários setores da cidade, como saúde, educação e segurança.

Depois dos números ditos em detalhes, as críticas, claro, vieram a tona. Diversos vereadores se disseram “surpresos” com os números. O autor do requerimento disse que fez o pedido por conta da situação que o município passa. Ele ressaltou que “as empresas de ônibus devem muito”.

– Nós estamos juntos e acredito que seja um absurdo e uma dívida tão alta. Não concordo com que uma empresa que explora a dupla função tem dívidas tão alta. Sou contra esse impasse. Nós vereadores vamos até o prefeito falar sobre o assunto. O município está precisando arrecadar. Precisamos entrar num acordo, mas não entendo uma vez devendo, como as empresas continuam explorando e atuando na cidade. Além de todas as outras empresas que devem milhões aos cofres públicos- destacou Pastor Washignton Uchôa (PRB).

PMVR lançou programa para parcelamento de dívidas

(ARQUIVO -SFO)

Na contra-mão do problema, a prefeitura faz campanha para receber dívidas por meio do Refis e o Programa de Recuperação Fiscal do Município. Com o programa, os débitos poderão ser pagos à vista ou parcelados. Quem optar pelo pagamento à vista, poderá realizá-lo com redução de 90% nos juros e multa até o dia 31 de agosto. Para os contribuintes que forem pagar até o dia 28 de setembro, o desconto será de 80%.

O parcelamento poderá ser feito em até 12 meses (desconto de 60%), 24 meses (50%) e 36 meses (40%). É importante ressaltar que a parcela mínima para pessoa física é a partir de R$ 100, e para pessoa jurídica, a partir de R$ 200.

Os contribuintes que quiserem participar do Refis VR 2018 podem se dirigir à sede da prefeitura (Praça Sávio Gama, 53, Aterrado) ou ao Furban (Fundo Comunitário de Volta Redonda (anexo à sede da prefeitura), de segunda a sexta-feira, das 12h às 18h. Para pessoas físicas, é necessária a apresentação de identidade, CPF e comprovante de residência, com respectivas cópias. E para pessoas jurídicas, é preciso o Contrato Social.

3 COMENTÁRIOS

  1. Esses velhos vereadores sempre souberam que o governo Neto era uma benção para essas empresas, pois por chegar a este valor, é óbvio que ele sempre soube desse rombo e nunca cobrou um centavo nos 20 anos de governo dele. Lastimável a situação.

  2. Estas empresas pagavam propina direto ao ex ditador de VR, e com isso sonegavam impostos, dai o rombo nas finanças da PMVR.

Comments are closed.