Bar interditado foi notificado antes sobre cuidados com a prevenção à Covid-19
Foto: Divulgação/PMVR.
<
VOLTA REDONDA

Atualizado às 15h23min.
O bar interditado na noite de segunda-feira (15), em Volta Redonda, foi notificado antes por desrespeito às regras de prevenção contra o Covid-19. O SUL FLUMINENSE ONLINE publicou, em primeira mão, a interdição do bar que fica na Rua Geraldo di Biasi, perto do 22º Grupamento de Bombeiros Militar, no bairro Aterrado.
O bar tinha apenas autorização para funcionar como bar, com som ambiente e limite de clientes, segundo a prefeitura. No entanto, os agentes da força-tarefa constataram que o estabelecimento estava funcionando como boate, desrespeitando as regras previstas em decreto; “havendo superlotação e pessoas sem uso de máscaras”, afirma a prefeitura na manhã de terça-feira (16).
– O local não tem autorização para funcionar como boate. Havia superlotação e por isso foi interditado. O proprietário já tinha sido orientado de que funcionaria apenas como bar, com música ambiente e respeitando o limite de pessoas para não aglomerar, controlando o acesso de clientes – ressalta o comandante da Guarda Municipal de Volta Redonda (GMVR), João Batista dos Reis.
A força-tarefa já havia interditado dois estabelecimentos no último fim de semana por aglomerações e frequentadores sem máscaras. O primeiro foi uma boate localizada na Rua Major Aguiar, no Centro; e o segundo, um bar no bairro Santo Agostinho. Na segunda-feira (15) foram visitados 31 locais foram visitados e duas autuações foram aplicadas.

Carnaval sem folia

Pelo decreto municipal assinado pelo prefeito Antônio Francisco Neto, está proibido até quarta-feira (17), a realização de atividades e eventos em ruas, praças, quadras e casas de festas. Fica determinado também a obrigatoriedade do uso de máscaras em espaços públicos, como shoppings, lojas e comércio em geral. Órgão públicos estaduais também estão nas ruas para garantir que o decreto seja respeitado.

Denúncias

Em caso de despeito às regras de prevenção, a população deve denunciar através do Ciosp (Centro Integrado de Operação de Segurança Pública) pelos telefones: 156, 153 ou 190.

Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).