Atualizado às 21h12min.

BARRA MANSA
O deputado Marcelo Cabeleireiro convocou uma reunião emergencial na tarde de terça-feira (21) no Instituto Estadual de Ambiente (Inea-RJ), na Zona Portuária do Rio. A reunião aconteceu junto com o secretário de Meio Ambiente de Barra Mansa, Carlos Roberto de Carvalho, o “Beleza”, e o presidente da Associação de Moradores do bairro Nove de Abril, Demerson Novais, o “Deco”, para tratar sobre o Córrego Secades, um dos pontos que causa alagamento na cidade e que deixou famílias desabrigadas com as últimas chuvas.
Uma das estratégias traçadas foi o Inea deve ser promover um curso de capacitação de servidores municipais para ter mais agentes fazendo estudos e licenciamentos no município. Dutra ressaltou que apoia a ideia, pois o Estado não tem ‘braço’ para fazer tudo. A ideia é afunilar o curso das águas. “O servidor fica ali por muitos mais anos do que o político. A melhor medida é investir no funcionário concursado da cidade”, ressalta Marcelo Cabeleireiro.
Com isso, Barra Mansa pode se tornar a quarta cidade a contar com parceria do Instituto Estadual. Antes, apenas Rio de Janeiro, Niterói e Maricá foram contempladas com iniciativas que dão mais autonomia aos municípios.
O presidente do Inea, Claudio Dutra, avaliou o transbordo dos rios Barra Mansa, Bananal e Bocaina, e concluiu que a prioridade é o Rio Barra Mansa, cuja altura ultrapassou o limite em 2,6 metros em dez horas, e solicitou aos representantes do Executivo Estadual e do legislativo, um projeto-piloto. De acordo com Dutra, Rio Bananal aumentou por conta do Rio Paraíba do Sul, mas não houve para o transbordamento.
– Esperamos que um projeto para evitar que moradores percam tudo aconteça. O secretário prometeu cuidar do pedido e pensar saídas para investir em infraestrutura para que o córrego Secadas, que corta o bairro, não venha mais causar transtornos, independente da chuva. Se Deus quiser teremos nossos pedidos atendidos, com a ajuda do secretário e do deputado – ressaltou Deco. (Foto: Divulgação).

Comentários via Redes Sociais ou no portal:

(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza pelos comentários postados nessa matéria).