Vereador Neném na Câmara de Volta Redonda
Atualizado às 12h45min.

VOLTA REDONDA
Os vereadores de Volta Redonda aprovaram, em segunda votação, a abertura da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar o caso da prisão do vereador Paulinho do Raio-X (MDB), no último sábado. O parlamentar foi solto dois dias depois por decisão do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro e está afastado pela mesma decisão do desembargador.
O requerimento para abertura da CPI foi proposto pelo vereador Rodrigo Furtado (PTC) e os membros devem ser escolhidos pelo presidente, Nilton Alves de Faria, o “Nénem”, na sessão de segunda-feira (16). O próprio Rodrigo deve ser o presidente da comissão. Outros dois serão o relator e o membro. Um suplente ainda será escolhido, no caso de alguém se impossibilitar de continuar na comissão. O vereador Sidney Dinho (Patriota) teria se voluntariado para participar.
O objetivo é ouvir todos os envolvidos no caso. MPRJ, Polícia Civil, o prefeito Samuca Silva (PSC) e os vereadores citados podem ser chamados para uma sabatina no plenário da Câmara.
 – Todos vão ser chamados para esclarecer os fatos, inclusive o prefeito e o vereador. Quem não comparecer pode ser obrigado a vir – frisou o Rodrigo.
Ele esclareceu ainda que Paulinho pode não ser ouvido na Casa, por conta da determinação da Justiça. Outro destaque da sessão foram os pronunciamentos dos vereadores Carlinhos Sant’Anna (Solidariedade) e Nilton Alves de Faria , o “Neném” (PSB), presidente do Legislativo, depois que os nomes deles foram citados no depoimento do prefeito, no processo contra Paulinho.
Os parlamentares foram para tribuna e dispararam acusações contra o prefeito Samuca Silva. O prefeito afirmou, em depoimento, que, segundo Paulinho, o pedido de propina envolvia Neném e Carlinhos no esquema para barrar pedido de impeachment no Legislativo da cidade.
Neném falou por cerca de 20 minutos na tribuna e leu trechos do depoimento de Samuca que afirma que Paulinho teria falado o nome dos dois. Ele ressaltou que o prefeito disse que não teve contato com Sant’Anna ou Neném. O presidente da Casa se referiu a Samuca, por várias vezes, como “prefeito doente”. Ele ainda acusou o chefe do Executivo de “irresponsável e sem caráter”.
– Não vou pedir desculpas porque não sou culpado de nada. Vou continuar de cabeça erguida e tocando a presidência da dessa Casa – destacou Neném ao dizer que tudo poderia ter sido “armado” para atingir o ex-prefeito Antônio Francisco Neto (DEM) por ele fazer parte do mesmo grupo político.
Neném ainda disse “estar doente” e colocou vários medicamentos traja preta na tribuna. “Ele me fez voltar a tomar esses remédios”, disparou o parlamentar. Ele ainda revelou que a quinta-feira (12) foi o “mais difícil” para ele por conta do nome dele ter vindo a tona e por ter que explicar para o pai, de 86 anos, “o que poderia acontecer”. No fim do discurso longo, Neném chorou e foi aplaudido ao agradecer as pessoas que estariam “orando” por ele e mandando mensagens de apoio.
Carlinhos Sant’Anna (Solidariedade) chamou o prefeito de “verme” e ameaçou ir até as últimas consequências para “defender a honra”.
– Paulinho tem a responsabilidade dele. Eu nunca me vendi, nem quando era metalúrgico. Ele quer desmoralizar minha casa e minha família – falou o vereador.
Ele ainda reclamou da forma como a imprensa divulgou o nome dele e do Neném, sem que tenham sidos citados pelo Ministério Público e a Polícia Civil. Ele ainda criticou a atitude dos colegas da base do prefeito, que rejeitaram um requerimento de autoria dele que pedia informações sobre cargos comissionados na prefeitura. O pedido exigia saber quantos são, quem são e quanto recebe cada um que segundo ele teria sido retirado do Portal das Transparência.
O suplente do vereador Paulinho do Raio-X, Marcelo Moreira, acompanhou toda sessão da plateia. Há informações que ele estaria se reunindo com lideranças políticas, incluindo vereadores da Casa, para se inteirar da possibilidade de um processo de cassação contra Paulinho, pleiteando a cadeira na Câmara.

Foto: Jean Alves / Arquivo-SFO.


Comentários via Redes Sociais ou no portal:
(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).