Atualizado às 16h37min.

BRUNO CHIO
Oiê, meus queridos e queridas. Hoje falaremos de um assunto de extrema importância e de muito valor para todos.
Tudo o que vemos e somos é tratado e julgado pela nossa aparência. O que vestimos, o que usamos ou como nos portamos. Tudo isso tem influenciado grandiosamente a nossa forma de ser. Tem se dado tanto Valor a aparência que vemos que muitos valores têm se perdido e a essência tem sido substituída por uma casca de classe e altas marcas.
O tradicional está sumindo. A era da beleza e da vaidade tem tomado conta cada vez mais de nossos figurinos do dia a dia. Vestidos que mostram mais o corpo, que abusam do Tulê, transparências, decotes extravagantes e comprimentos mínimos. O chamado “Corpo Perfeito” tem sido a grande procura por todas as pessoas que querem aproveitar a era dessas peças irreverentes e chamativas.
Vocês sabiam que 60% das pessoas tem insatisfação com o corpo e o rosto? Isso é uma coisa extremamente grave! A pressão da sociedade é tão grande em esculpir corpos perfeitos para caber nas roupas de grifes e da moda que as pessoas acabam tendo dificuldade em aceitar quem são. Muitos se tornam alienados, em meio à tantas pressões sociais e midiáticas.

O que posso dizer a vocês é que a perfeição NÃO EXISTE. Perfeição é uma palavra que resume o mais alto nível numa escala de valores e é utilizada pela estupidez humana para descrever seres humanos e suas singularidades simplesmente indescritíveis. Cada pessoa é única. Graças a essa não aceitação muitos sofrem com bullyings e críticas a respeito de da aparência.
Nós não devemos deixar que isso nos impeça de sermos felizes como nós somos. Devemos trabalhar nossa própria escola de auto aceitação e aprender mais sobre nós. Se não estivermos satisfeitos com algo, que possamos mudar, mas para nosso próprio crescimento. Faça um botox, use uma maquiagem, valorize sua beleza, faça um tratamento de estética. Faça, mas por você, não pelos outros. Não tenha paranoias. Faça com limites e não se perca no meio desse caminho. Vivemos em sociedade e as críticas existirão. Porém, muitos não se importam com seus problemas e quanto mais você estiver em equilíbrio e em paz consigo mesmo o que o outro disser não lhe afetará e não terá efeito algum.

Eu, Bruno Chio, era taxado como o mais esquisito, marmota e maluco e eu encontrei minha identidade no meio de todo esse caminho de caos. A hora que percebi que poderia ir além do que as pessoas falavam que eu iria e me mantive no auge, sendo autêntico e único.
Espero que minhas palavras tenham sido de grande valia para todos vocês, a cada parte da vida que sobrevivemos, aprendemos mais sobre como lidar e ser, diante de todo esse caos chamado Sociedade! Sejam vocês, sejam únicos e autênticos. Um grande abraço do Chio e até a próxima. (Fotos: Reprodução Google).

 


Comentários via Redes Sociais ou no portal:

(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).