ESPECIAL


Atualizado às 08h30min.

VOLTA REDONDA 
Os meses de novembro e dezembro para os moradores do bairro Santo Agostinho, em Volta Redonda, no Sul do Estado do Rio de Janeiro, foram os mais violentos do ano. Em menos de 45 dias foram seis mortes violentas e outras duas tentativas de homicídio a tiros, nesse que é um dos dois maiores bairros da mais populosa cidade da região, a Cidade do Aço.
O bairro é interligado a um grande complexo de outras comunidades, como os Volta Grande I, II, III e IV. Além do Parque das Ilhas, Ilha Parque e Vila Americana. No Ilha Parque também foram registradas pelo menos duas mortes este ano. Segundo a polícia, duas facções criminosas atuam nessas comunidades. Entre elas, ainda existe um clima tenso e áspero pela disputa de regiões e pelo comando de pontos de venda de drogas, na parte baixa e alta do Santo Agostinho.
Sobrevoamos, com um drone, as principais áreas do bairro.

O senhor Edir Pereira Mota, mora há 60 anos no bairro. Casado e pai de quatro filhos, se aposentou da CSN e criou a família no Santo Agostinho. Apesar da violência dos últimos meses, ele diz que não perde as esperanças e confia no trabalho da polícia.
– O Santo Agostinho é um bairro muito bom. Creio que a polícia e Guarda Municipal estão trabalhando para manter a ordem e o bem-estar da população – afirmou o aposentado.
Preocupado com o avanço da criminalidade, o comandante do 28º Batalhão de Polícia Militar, tenente coronel Júlio César Veras, e o comandante da Guarda Municipal de Volta Redonda, Paulo Dalboni, uniram forças para intensificar o patrulhamento ostensivo no bairro. Mais viaturas e homens foram designados para o bairro no início de dezembro. Afim de cobrir mais a extensa área territorial do bairro e coibir o principal crime, o tráfico de drogas.
Para o comandante da Guarda Municipal, a parceria pretende somar forças em prol do bem maior, que é a segurança dos moradores. Ele acredita que a união pode ajudar a diminuir a criminalidade do bairro.
– Damos total apoio no que precisar a Polícia Militar. Auxiliamos em operações e no patrulhamento, caso necessite. Tenho certeza que o coronel Veras juntos com sua tropa está empenhado, assim como nós da guarda. É em momentos difíceis que temos que contribuir para que a sensação de segurança aumente e que todos se sintam mais seguros. Essa é a orientação do prefeito Samuca e nossa missão como servidores públicos da segurança – garantiu o comandante.
O comandante do 28º Batalhão disse que estão de olho no bairro dia e noite. Ele afirma que com a chegada do fim de ano aumenta a preocupação aos crimes de rua e contra estabelecimentos comerciais. Ele ainda ressaltou que o efetivo está empenhado na cidade e principalmente no bairro.
– Estamos trabalhando com a 93ª DP para identificar e prender os responsáveis pelos homicídios que aconteceram no Santo Agostinho. Com um trabalho de inteligência com outros batalhões e com a Coordenadoria de Inteligência do Rio para solucionar todos os crimes – ressaltou o coronel.
Ele reforçou ainda que o trabalho em parceria com a Guarda é fundamental. Segundo ele, isso complementa o trabalho e auxilia em muitos pontos o papel da PM.
– Tenho a promessa do comando do reforço do policiamento e uma atenção especial ao bairro Santo Agostinho. Os moradores podem ter certeza que estamos trabalhando para identificar os criminosos e prendê-los – frisou o coronel. (Fotos: Exclusivas – Evandro Freitas).
Polícia intensificará policiamento no local no fim de ano, principalmente, no Santo Agostinho.