Atualizado às 21h31min

ALEMANHA
Não só as dores de garganta e a pirraça feita pelo nosso relógio biológico, para que marquemos um encontro mais cedo com a nossa cama são indícios da chegada do inverno na Europa. Para muitas pessoas essa é a estação-tristeza. Com ela aumentam as insatisfações, que podem acarretar a típica depressão de inverno.

Enquanto o Brasil e em outros países vizinhos da linha do Equador se alegram com o calorão que está para chegar – ou já chegou, a Alemanha se depara com os primeiros dias gelados. Isso é decorrente do horário de inverno, que deu as caras no fim de outubro.

O adiantar do relógio traz dias mais escuros – a noite já não começa mais às 22 ou 23 horas, como no ápice do verão, mas sim, às 16h30 ou 17 horas, quando ainda estamos resolvendo as coisas no centro da cidade e de repente percebemos que o dia já acabou. É aí que vem vontadezinha de não fazer nada. O terror de quem foge do inverno e da solidão que ele traz para algumas pessoas.
Nesse caso, a solidão não tem ligação com estar sozinho. Muitas famílias têm, entre alguns de seus membros, alguém que sofra de depressão de inverno. Além de os dias acabarem mais cedo, eles começam mais tarde (no ponto mais alto da estação mais fria do ano, os dias costumam começar a ficar claros lá pelas nove da manhã e às 16 horas já “virou de noite”, como dizem as crianças.
O desânimo é uma característica muito comum da época. Alguns já sofrem por antecipação, ao se lembrarem com frequência dos tipos de sentimentos, contra os quais vão ter que lutar nos próximos dias. Chegam juntas a tristeza, algumas lágrimas, insatisfação frequente e a irritabilidade extrema. Sintomas que nem sempre desaparecem. Mesmo quando se está rodeado de amigos e familiares, tentando chamar a atenção das vítimas para as coisas boas do inverno.
No passado pensava-se que a idade avançada era um fator decisivo desse quadro comportamental. Atualmente, essa relevância foi desmistificada pelo alto índice de jovens e até mesmo crianças que apresentam claros sintomas de depressão de inverno.
No Brasil dizem que o inverno é a estação de mais classe do ano, período em que as pessoas se vestem melhor, da culinária mais saborosa e das melhores festas. De certa forma, o mesmo acontece na Alemanha e na Europa em geral. Mas quando o termômetro começa a se aproximar depressa à casa do zero grau, fica mais difícil manter a positividade.
Por mais que esses sentimentos voltem todos os anos, aumentar o número de atividades com pessoas amadas nesse período não fazem com que os sintomas desapareçam, mas pode consolar bastante. Mesmo que pensemos que o melhor lugar para se estar é embaixo do edredom, em frente à televisão e bem longe dos outros.
Se isolar aumenta a sensação de que o inverno não vai acabar nunca e pensamentos negativos não dão espaço para a possibilidade de a vida continuar da mesma forma que no verão. Só que com casacos e botas quentinhos e um bom cachecol e uma touca.
Como o amor supera todas as coisas, persevera todas as coisas, entre outras boas qualidades, que haja mais espaço para demonstrar esse sentimento e receber o mesmo de pessoas que nos querem bem. Uma atitude positiva faz com que as tristezas que acompanham a estação mais fria do ano não nos enlacem, nem nos iludam com a utopia de que coisas que possam ser negativas para alguns, duram mais tempo do que deveriam. (Fotos: Maryan Bartels)

2 COMENTÁRIOS

Comments are closed.