Atualizado às 19h32min.


VOLTA REDONDA

Uma história que tinha tudo para ser trágica, transformou-se em um reencontro entre um jovem de 23 anos com a família na tarde desta quinta-feira (14). Desaparecido há quase três anos, Caíque Estevão saiu da comunidade Itaim Paulista, distrito de São Paulo, sem destino e sem rumo, deixando para trás o desespero e a angustia de sua avó materna, Valdelice Estevão, de 74 anos.

Com deficiência mental, a história do rapaz começou a mudar após um atropelamento na Via Dutra, na altura de Volta Redonda, em 27 de março deste ano. Em estado grave, Caíque foi levado para o Hospital São João Batista por onde passou por uma cirurgia de coluna. O empenho da equipe da unidade médica foi fundamental na recuperação dele.

Fisicamente recuperado, o desafio da equipe do São João Batista passou a ser estabilizar a doença mental do rapaz para colher informações sobre a origem familiar dele.

Após um tratamento com medicação, um trabalho psicológico, Caíque começou a lembrar do seu passado e dos familiares. Assim, a equipe de assistentes sociais do hospital iniciou a busca na localização de parente, que terminou nesta quinta-feira”, contou o diretor-médico do Hospital São João Batista, José Geraldo de Castro Bastos.

Com um carro da secretaria municipal de Saúde, a enfermeira Jéssica Pimentel foi à responsável pela entrega do jovem à família no distrito paulistano. “Ele foi recebido pela avó e por primos numa simples casa. Caíque ficou 80 dias internado no Hospital São João Batista, o que criou um vínculo dos profissionais com o rapaz”, comemorou Jéssica.

A família foi orientada acompanhar o tratamento no Caps (Centro de Atendimento Psicossocial) de São Paulo para que a doença de Caíque permaneça estabilizada. (Foto: Divulgação)