Atualizado às 15h38min.

VOLTA REDONDA
O comando do 28º Batalhão da PM (Volta Redonda) realizou pela primeira vez no interior, na última segunda-feira (30), no Teatro Gacemss, em Volta Redonda, no Sul do Rio, o seminário “Heróis do Rio de Janeiro”. O evento aconteceu durante um simpósio na capital e agora começa percorrer cidades do interior do estado. O evento debate e apresenta histórias reais de agentes vitimizados em serviço. Um documentário também foi exibido durante o evento que deve percorrer outras cidades da região.
O organizador e presidente da Comissão de Vitimização Policial, Fábio da Rocha Bastos Cajueiro, explicou que a ideia começou no simpósio e vai percorrer todo interior do estado. “É o primeiro evento itinerante e vamos fazer em outras cidades. Devem ocorrer um a cada 15 ou 20 dias”, garantiu.
A ideia de trazer para Volta Redonda foi da comandante do 28º BPM, a tenente-coronel Luciana Rodrigues. Ela defende que o trabalho de segurança pública ideal só é possível com a participação de todos. “Temos que nos unir e juntar ideias contra a violência. Todos nós somos responsáveis. Sociedade, polícia e instituições para combater o problema. Precisamos discutir no interior sobre o papel de cada um por uma segurança pública ainda mais eficiente. Que possamos ter mais cidades tranquilas como temos aqui na região”, ressaltou a comandante.

Heróis Feridos em Combate

Xilon e Alexandre, ambos heróis feridos em serviço por bandidos.
Vários policiais feridos em serviço participaram do evento. Eles são retratados no documentário “Heróis do Rio de Janeiro”. O filme pode ser visto no You Tube e conta histórias de agentes feridos em combate no Rio e como eles sobreviveram.
Um deles é o soldado Xilon, ferido na cabeça, em 2015, durante uma troca de tiros na Vila Cruzeiro. Baleado na cabeça, ficou entre a vida e morte e sobreviveu para contar sua experiência. “É muito importante toda repercussão que o projeto vem tendo. Sou de Volta Redonda e fico muito feliz de poder voltar aqui e contar minha experiência com a minha família prestigiando é maravilhoso. Nossa missão agora é inspirar outras pessoas”, afirmou o soldado.
O pai de Xilon, Wilson Oliveira Ferreira, acredita que estamos vivendo “uma nova era na PM” do Rio. “O governo tem dado apoio e homenagens a quem pagou com sangue. Espero que no futuro eles possam ser ainda mais lembrados. O sonho dele [Xilon] de servir e proteger foi interrompido em campo, mas continua aqui. Para ele foi difícil ter que parar”, lembrou.
O soldado, Alexander de Oliveira Silva, perdeu parte das duas pernas em serviço. Morador de Resende, ele diz ser muito importante a participação de todos. “Isso tem dado visibilidade e creio que ainda estar na ativa contando nossas experiências pode ajudar o outro amigo de farda ou até a população a entender a dificuldade e missão do trabalho do policial militar.

Fotos: Evandro Freitas.

Assista o filme “Heróis do Rio de Janeiro”:


Comentários via Redes Sociais ou no portal:

(O Sul Fluminense Online não se responsabiliza por comentários na matéria).