Atualizado às 01h13min.


Barra do Piraí

Pelo jeito o prefeito de Barra do Piraí, Mário Esteves (PRB), parece ainda ter que lidar com mais obstáculos na gestão. Depois da repercussão negativa do anúncio do corte de verbas na única maternidade da cidade, agora terá que administrar uma investigação de desvio de dinheiro público dentro do setor de Recursos Humanos da prefeitura.

A Câmara de Vereadores deve aceitar o pedido para instaurar uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), feita pelo prefeito, para apurar um suposto desvio de pouco mais de R$ 200 mil. A medida foi publicada no Boletim Oficial Eletrônico, no site da prefeitura, nessa quinta-feira (10).

Ao todo são cinco, inclusive o secretário da pasta, Alex das Silva Barbosa, que serão investigados. Quatro deles foram exonerados dos cargos até que termine as investigações. O boletim afirma que foi aberto um processo administrativo depois de verificar um “crédito indevido” para a servidora do quadro efetivo, Sandra Cristina Maia Lizino. Segundo o prefeito, ela não foi afastada, “pois a função desenvolvida não oferece nenhum risco às investigações”, destaca o documento.

Ele afirma ainda que Marciana da Silva Francisco (cargo comissionado), Rômulo de Mello Costa (cargo comissionado), assessor direto do secretário e Ana Vitória Coelho Naves (cargo comissionado), são suspeitos de envolvimento no esquema. O secretário de Recursos Humanos é o mesmo do ex-prefeito Maércio de Almeida (PMDB), antecessor de Mário Esteves (PRB). Ele está no governo desde o início do mandato do atual prefeito. Além disso, segundo uma fonte do SUL FLUMINENSE ONLINE, ele é genro do atual vice-prefeito de Barra do Piraí, João Camerano (SD).

O prefeito chegou a falar em favor do agora ex-secretário. “Desde já, registro não haver nenhum motivo de desconfiança sobre o secretário do RH, porém sua permanência poderá ensejar inúmeras dúvidas sobre a lisura das investigações”, explicou.

Ele (prefeito) nomeou o secretário de planejamento para auditar o departamento e nomear substitutos para dar continuidade ao trabalho do RH.

Ano de baixas no governo

(REDES SOCIAIS)

A onda de baixas no governo de Mário Esteves (PRB) não começou essa semana. No fim de fevereiro, o procurador geral do município, o advogado Marcelo Macedo Dias, pediu para deixar o cargo.

No dia 27 de fevereiro ele publicou em uma Rede Social um pequeno texto sobre a saída dele do governo. “Deixo a Procuradoria Geral do Município de cabeça erguida”, escreveu.

A servidora concursada da Educação, Ludmila dos Santos Melo, pediu essa semana exoneração do cargo de subsecretária de Saúde. Após o pedido ela deu entrada na licença prêmio de três meses. Ludmila foi subsecretária da mesma pasta no governo Anchite. No governo Maércio ela deixou o cargo e voltou para Educação. Com Mário Esteves ela voltou ao cargo, segundo informações de pessoas ligadas ao governo, a pedido de Anchite.

Segundo uma fonte do SFO, algo dentro da secretaria poderia ter motivado a saída da subsecretária. Nem ela nem a prefeitura informaram o real motivo. A autorização para a licença prêmio da servidora foi publicada no mesmo boletim que traz a abertura da investigação no RH da prefeitura, do último dia 10.

O SUL FLUMINENSE ONLINE tentou contato com a assessoria de imprensa da prefeitura para mais informações sobre o que foi apurado. Sem sucesso. Caso venha esclarecer alguns fatos ou queira acrescentar alguma palavra por parte da prefeitura, atualizaremos esta matéria ou publicaremos uma nova nota sobre o assunto.

Leia o boletim: Página 17

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.