– EXCLUSIVO – 


Atualizado às 17h17min.


VOLTA REDONDA

Wallace Leite da Silva, de 18 anos, foi preso na manhã dessa sexta-feira (09), apontado como autor dos disparos que mataram Alexsandro Ciro Soares, de 41 anos, no dia 25 de janeiro passado. O corpo foi encontrado com marcas de tiros, em um terreno do bairro Fazendinha, em Volta Redonda-RJ.

O SUL FLUMINENSE ONLINE teve acesso EXCLUSIVO ao caso na 93ª DP. Segundo os policiais que efetuaram a prisão, Wallace foi visto na Rua A, onde mora, quando foi abordado. Um dos agentes sabia da acusação de homicídio contra o jovem. Nada de ilegal foi encontrado com ele. Os policiais, cabo Hélio e soldado Fagner, contaram na delegacia que Wallace confessou que teria matado Alexsandro durante uma discussão por uma demarcação de terras.

Na delegacia, o sogro da vítima reconheceu Wallace como autor dos disparos que mataram Alexsandro. De acordo com o depoimento dos policiais, Wallace disse que havia se desfeito da arma, jogando no Rio Paraíba do Sul. Os policiais foram até a casa do rapaz e encontraram uma munição de 9 milímetros e um coldre de pistola. Na DP, Wallace teria confessado, segundo a polícia, que a munição teria falhado na hora dos disparos.

Wallace se valeu do direito de permanecer calado. O pedido de prisão preventiva só terá resposta na quinta-feira (15), depois do Carnaval. Por enquanto ele permanecerá preso por porte ilegal de munição. Porém, a defesa pode conseguir a liberdade dele por esse crime, até que a Justiça acate ou não o pedido de preventiva do delegado.

Mães brigam por filho e marido na delegacia

Assim que surgiu a notícias de que Wallace foi preso, as famílias foram para delegacia. A mãe do acusado e a esposa da vítima se encontraram na sala de espera da DP e houve uma intensa discussão entre as duas.

O SUL FLUMINENSE ONLINE recebeu várias mensagens sobre uma briga na delegacia de Volta Redonda-RJ. A confusão era entre as mães. De um lado a mulher da vítima, com um bebê de poucos meses no colo e do outro, a mãe do acusado em defesa do filho.

A discussão durou alguns minutos. Até que os policiais interviram e acabaram com o fuzuê na porta da delegacia.

Nossa equipe conseguiu conversar com a viúva. Segundo ela a Justiça foi feita. “A Justiça de Deus é maior, mas a Justiça será feita. Eu acredito”, desabafou. A mãe do acusado não foi encontrada pela nossa equipe, para falar sobre o caso.