Atualizado às 22h10min.


BARRA MANSA

Agora será obrigado rezar o “Pai Nosso” nas escolas municipais de Barra Mansa todos os dias letivos do ano. A determinação partiu da Secretaria de Educação, que irá introduzir a oração depois de cantar hinos cívicos, antes do início das aulas. A mudança entrou em vigor no dia 04 de outubro, válido para todas as unidades.

A justificativa para decisão, tomada pelo secretário da pasta, Vantoil de Souza Jr. A decisão abre exceção para o aluno que não quiser participar. Ele deverá apresentar uma declaração dos pais e no momento da oração ele poderá ficar em sala de aula esperando.

– A oração é aceita pela maioria das religiões. O que apresentarem a declaração para não participar da oração serão colocados em uma fila a parte, após o hino, levados para sala de aula – esclareceu.

O secretário justifica a medida, baseado numa decisão do Supremo Tribunal Federal de que o “ensino confessional deve ser dado. Só estamos normatizando algo que já foi decidido”. Porém, há diferença entre ensinar religião e rezar. Sobre isso ele se defende.

– Colocamos o Pai Nosso porque o católico, o evangélico e o kardecista praticam. Quem não o faz, tem a liberdade de não rezar. Não é obrigatório – afirma.

A prefeitura, por nota, defendeu-se dizendo que “a prática no fere o princípio da laicidade do Estado”. Que quer dizer que, como prevê a Constituição, o país não tem religião definida e dá liberdade de que cada cidadão escolha a própria crença.

Especialista dizem que a determinação “viola o caráter laico da escola e do Estado. E de que a decisão do STF não autoriza fazer a oração do Pai Nosso. Sem falar no constrangimento de quem não fizer, ter que se justificar por escrito e formalizar”.

Outros enfatizam que a oração em questão “não é neutra, fere a laicidade e liberdade religiosa da crianças, jovem ou adolescente”.